De novo nada


"DIÁLOGO ENTRE HAMLET E SUA CONSCIÊNCIA"


— Lá está ela, na lama

e no lodo... fez deles seu

leito - mas sono lá não há.

— Mas eu a amava,

como quarenta mil homens

não poderiam amar!

— Hamlet!

Lá está ela, na lama:

Lama! Sua última guirlanda

flutua entre galhos

— Mas eu a amava

como quarenta mil....

— Menos,

bastava apenas um amante.

Lá está ela, na lama

— Mas eu a -

amava?



05 de junho de 1923



ДИАЛОГ ГАМЛЕТА С СОВЕСТЬЮ



- На дне она, где ил

И водоросли... Спать в них

Ушла, - но сна и там нет!

- Но я ее любил,

Как сорок тысяч братьев

Любить не могут!

- Гамлет!

На дне она, где ил:

Ил!.. И последний венчик

Всплыл на приречных бревнах...

- Но я ее любил

Как сорок тысяч...

- Меньше,

Все ж, чем один любовник.

На дне она, где ил.

- Но я ее -

любил??


5 июня 1923



Escrito por Paulo Ferraz às 17:38:58
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Escrito por Paulo Ferraz às 19:39:57
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Escrito por Paulo Ferraz às 17:11:30
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Escrito por Paulo Ferraz às 11:48:57
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Escrito por Paulo Ferraz às 13:09:32
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Escrito por Paulo Ferraz às 14:20:47
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Escrito por Paulo Ferraz às 10:22:45
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Escrito por Paulo Ferraz às 14:35:13
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Saiu na Folha de São Paulo de hoje que o Chile pretende aplicar sua lei antiterrorismo contra os Mapuches, povo que desde o tempo dos incas resiste em suas terras. Infelizmente aqui no Brasil conhecemos muito pouco sobre o caso, nós que temos povos que também lutam por sua autodeterminação, supostamente um dos nossos princípios constitucionais no âmbito do direito internacional. Enfim, não sou cientista político, até que me provem o contrário sou poeta, por isso é como poeta que faço a minha parte:

 

 

Matias Catrileo

 

 

Matias Catrileo. Nunca ouvimos esse nome. Matias Catrileo. Continuaremos a não ouvir esse nome. Matias Catrileo. Esqueçam esse nome. Matias Catrileo talvez nem seja um nome. Matias Catrileo não é ninguém. Matias Catrileo é um índio. Matias Catrileo não é um índio. Índios não existem. Índio bom é índio morto. Índio é coisa de branco. Matias Catrileo não é chileno. Matias Catrileo é mapuche. Não, mapuches não existem. Mapuches são chilenos. Não, mapuches não são chilenos. Mapuches são mapuches. Lautaro é mapuche. Lautaro é chileno. Lautaro não é Lautaro. Lautaro é maçom. Matias Catrileo não é Lautaro. Matias Catrileo não viu a cabeça de Lautaro na plaza de Armas de Santiago. Espanhóis e chilenos não gostam de mapuches. Mapuches ou araucanos. Matias Catrileo não lutou na Guerra do Arauco. Matias Catrileo não viu Caupolicán ser empalado. Não leiamos La araucana. Matias Catrileo não morreu na Guerra do Pacífico. Matias Catrileo não roubou o mar boliviano. Pablo Neruda não escreveu La Araucana. Pablo Neruda era comunista e chileno. Pablo Neruda era Ricardo Eliezer Neftalí Reyes Basoalto. Pablo Neruda não era mapuche. Matias Catrileo não votou em Allende. Matias Catrileo não matou Allende em 11 de setembro, nem cortou as mãos de Victor Jara. Matias Catrileo não apoiou Pinochet. Pinochet não leu La araucana. Pinochet matou Alberto Bachelet. Pinochet sabia que mapuches não existem. Mapuches não têm terra. Mapuches não tem cultura. Matias Catrileo não tem língua. Mapuches não bebem Concha y Toro. Matias Catrileo não votou em Ricardo Lagos. Allende, Pinochet e Lagos são chilenos. Matias Catrileo é Mapuche. Mapuches são terroristas. Autodeterminação dos povos não se aplica a mapuches. Mapuches são chilenos. Matias Catrileo é chileno. Gabriela Mistral não invadiu terras. Nicanor Parra não cursou agronomia. Gonzalo Rojas não teve 22 anos. Vicente Huidobro não levou um tiro pelas costas. Por la razón o la fuerza não é seu lema. É do Chile. É de Michelle Bachelet. Michelle Bachelet não foi morta por carabineros, nem pelos de Pinochet, nem pelos seus. Bachelet não disse: nosotros, los mapuches, somos sus indígenas; nosotros tenemos que ser los indígenas de Chile, nosotros no somos los "indígenas de chile", nosotros somos Mapuche, somos aparte, somos un pueblo que siempre ha estado aquí, que nació en esta tierra, y va a morir aquí, va morir peleando, aunque sea peleando, morir. Matias Catrileo o disse. Quem matou Matias que o embale.

 



Escrito por Paulo Ferraz às 17:46:24
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


IV VERÃO DE POESIA - CURSOS

Como alguns já sabem, graças ao Thiago Ponce e a Ana Rüsche, no final de fevereiro (26 a 29) irei participar de uma série de cursos sobre a poesia brasileira de 60 para cá. A mim coube a nada fácil tarefa de apresentar a poesia de 2000 até hoje. Se por um lado há o obstáculo de não se ter o afastamento devido (nomes consolidados, vozes distintas, fortuna crítica etc.), por outro, há o benefício de poder contar com o auxílio dos próprios poetas. Resumindo a conversa, pois eu não frequento esse meu blog há muito tempo e perdi um pouco o jeito, quem puder entrar em contato comigo é só me mandar um e-mail para pauloferraz@hotmail.com, a minha idéia antes de mais nada é ter acesso ao maior número possível de novos autores, inlcuindo os da rede, pois se há um detalhe que não pode escapar ao se falar da poesia hoje é justamente a aparição da internet, dos sites pessoais, dos blogs.... bem, já estou entrando no curso. Obrigado pela ajuda de todos, assim vamos construindo esse curso conjuntamente de hoje até o dia 26/02


GERAÇÃO POESIA
De terça a sexta, das 19 às 21hs (debate com o convidado será sempre às sextas- feiras) Vagas: 30; Taxa: R$ 10

Este curso, com a duração de 15 encontros, fará um passeio pelas décadas de 60, 70, 80, 90 e 00, com o intuito de entender o que se tem produzido nas mais recentes vanguardas da poesia a partir do legado deixado pelas gerações anteriores. A Casa das Rosas convidou 5 especialistas para falar sobre a poesia produzida em cada década e mais 5 autores representantes das gerações para conduzir um bate-papo com os alunos.

De 22 a 25 de janeiro – Geração 60, por Roberto Biceli. Autor convidado: Roberto Piva
De 29 de janeiro a 1 de fevereiro – Geração 70, por Andréa Catropa. Autor convidado: Glauco Matoso
De 12 a 15 de fevereiro – Geração 80, por Andréa Catropa. Autor convidado: a confirmar
De 19 a 22 de fevereiro – Geração 90, por Cláudio Daniel. Autor convidado: Ricardo Aleixo
De 26 a 29 de fevereiro – Geração 00, por Paulo Ferraz. Autor convidado: Ana Rüsche


Escrito por Paulo Ferraz às 23:01:21
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Alba
Traduzione di Laura Minervini

Non la resistenza
del vento, bensì la
densità dell'acqua
che avvolge, che prende il
corpo, inoculando il
veleno dell'attesa fino

a transformare pelle in
pensiero, meno,
in voci udite,
altre mai dette.
Ciò che si vede ha del
sogno quasi nulla, ap-

pena il desiderio
di averla di nuovo alla
distanza delle dita;
lei sarebbe vici-
na, non fossero le grida
del mondo e del corpo,

non fosse quell'oriente,
non fosse quella musi-
ca che viene dagli albe-
ri, non fosse ascoltare il
materasso, il lenzuolo e il
cuscino: ritorno alla

realtà, di traverso nel letto
ti reclama la fatica.

Escrito por Paulo Ferraz às 11:46:49
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


De Paris

Se ainda houver alguém que visita esse blog, essa mensagem é so para dizer que este é meu ultimo dia de Paris (espero que ultimo dia com esse maldito teclado). Balanço? nao, daqui nao sairah um romance, nem um poeminha sequer. Baudelairianamente falando, andei por toda Paris, cruzei de ponta a ponta, por todos os meios de transportes (quer dizer, menos barco), falar que é bom, muito pouco, talvez no momento essa seja a minha maior impressao, que mais que lidar com Paris, tive que lidar comigo mesmo, quando a boca cala, sobra mais tempo para mente inventar coisas. Gostei da bagunça em meio a toda essa ordem meio classica, a toda a "razao", todo positivismo, Paris muda, disse Baudelaire, errou, Paris, quase nao muda, o que muda é a sua periferia, muito rica, com todas as contribuiçoes possiveis, na Paris que todos conhecemos, ouve-se um pouco de tudo, menos francês, qualquer dia da semana, qualquer hora tem sempre alguém com um guia e uma maquina fotografica na mao. Bom, era so isso, vou ficando por aqui, ainda ha algumas horas para flanar.

Escrito por Paulo Ferraz às 11:27:12
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


NO CAFÉ PITTORESQUE





NO CAFÉ PITTORESQUE

Funciona mais ou menos assim: Você. Você entra em cena, chega, escolhe uma mesa. Senta-se. Olha ao redor de si. Deixa um livro de poesia sobre a mesa. Abre. Os pés de um garçom em sua direção. Logo nos primeiros versos te interrompem. Boa noite. Boa noite, uma caneca de chope. O que você estava lendo mesmo? Você precisa de outra distração, poesia não serve. Lá está a caneca. Tente se concentrar nesta espuma, no mundo filtrado pelo vidro dourado úmido. Você até sente os primeiros goles, passa a língua sobre o lábio superior (o movimento é rápido, ninguém veria, mesmo que visse, não poria reparos), sim, o calor está insuportável, por isso essa mesa ao ar livre -- esqueci-me de dizer, que a mesa foi escolhida ao ar livre, você respondeu ao boa noite, mas na verdade é fim de tarde --, mas pensar no clima não é suficiente para te fazer esquecer que já era tempo de ela haver chegado. Começa então o ritual de olhar o vazio da entrada. (...................................... ) O vazio, o vazio, o vazio que se repete. Funciona mais ou menos assim, você olha como se quisesse materializá-la, já viu isso em filmes, por isso, mesmo inconscientemente, crê que sua vontade pode controlar a natureza, seus elementos e suas leis fazendo-a aparecer sob o batente. Assim você segue, não há um período regular, mas mal retira os olhos e os volta em seguida, no fundo você queria ter uma espécie de surpresa, que seus olhares se cruzassem ao acaso (como se cada um andasse em rota de colisão por ruas repletas de gente indiferente), que seu olhar interceptasse o sorrido dela logo no seu nascimento, capturando o primeiro movimento muscular, ali sob o batente, ficando maior a cada passo. Você queria que isso ocorresse agora, nesse instante. Tira os olhos. Outro chope e outros muitos olhares para o vão, o livro desapareceu. Agora um para o relógio, sim, o relógio pode se transformar numa ampulheta, contando o tempo ao avesso até o último grão quando então ela, não, não, ela não chegou, ou o telefone, olhe firme para ele, olhos nos olhos, tudo não passa de uma questão de autoridade, ele serve a você, então diga pausado (mas com firmeza): parla! Garçom, outro chope. Funciona mais ou menos assim, você relaxa, acende um cigarro, dá um trago profundo e expira, na verdade um suspiro, a fumaça e os pensamentos que se dissipam no ar. Então ela está sob o batente. Sorrindo, o primeiro movimento muscular, ficando maior. Funciona mais ou menos assim.


Escrito por Paulo Ferraz às 18:52:41
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Rosa, gatos e citações




Hoje vou citar, sim, citar, afinal acredito que citação é mais que demonstração de conhecimento, erudição; é identificação, é querer ter escrito algo, é fazer suas as palavras alheias (ah, claro, eu respeito o texto citado, mas não de modo reverencial, não, creio que é possível profaná-lo também, descolá-lo no tempo/espaço, fazer dele outro texto, mas deixemos isso para o Walter Benjamin explicar). Bom, vamos ao caso. Ganhei o "Caderno de Literatura Brasileira" com o Guimarães Rosa, nem entre no mérito da publicação, Guimarães não precisa de mim, no caso, eu é que preciso dele, a prova é essa passagem do seu diário. Roubo para a Chuchu e para a Mimo, e deixo a prova do crime para aqueles que quiserem roubar o texto para os seus gatos:



9.V.950, Levantei, sem despertador, só com a cortina aberta e o chamado de Ângela, às 8hs. 30'. O tempo que fiquei na cama, foi quase que voluntariamente. Me alegra que esteja mais quente, um pouco, hoje. Xizinha náo tinha querido comer. Fico bem um quarto de hora com ela no braço. Ronrona, ronrona. Ângela diz que ela teve saudades de mim, durante a noite. Levo-a à janela que dá para a rua: seu "cineminha". Leve, quentinha, cheirosa, é como um meu coração externo, contra meu peito. Sua curosidade infantil, para com os automáveis. Amorzinho. Felpudo. Sempre me interessa.


Escrito por Paulo Ferraz às 20:45:27
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Notas sobre a sombra



Um poema novo.Sobre a sombra. Acho que é isso, ainda estou pensando. Feito numa manhã de terça feira, ao observar o movimento dela, que nos permite conhecer os volumes, a profundidade, a distância. Enfim, uma tentativa de retirar a sombra que paira sobre a sombra, rs.



É como digo, das coisas
a sombra guarda bem mais que a
memória, pois, cria da reali-
dade, traz os genes que lhe
dão a forma da matriz (ao
pai não puxou quase nada,
de fato, ele lhe confere o
talhe, interferindo sempre
no seu desenvolvimento),
dizem que é prima distante
da água, embora de cores
distintas, isso porque ambas
se ajustam às superfícies,
correm líquidas por outros
corpos, todavia, enquanto a
branca opta quedar-se em planos
ou lançar-se em quedas, a negra
tem o orgulho de ficar de
pé (antes que o poema termine,
peço que deite teus olhos
sobre a minha sombra que te
cobre e te envolve, tatuagem
móvel que gravo em ti, anteci-
pando o tato, o toque -- nunca
desligue teu abajur).


Escrito por Paulo Ferraz às 14:45:01
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Então, o outro poema traduzido do português para o português que fiz é um do Mané Bandeira. Ah, saudade dessa inconsequência juvenil...


Epígrafe


Nasci em bom berço. Criança,
Fui, como as tantas, feliz.
Veio o fado e, após a bonança,
Tirou de mim o que quis.

Um anjo sombrio do mundo
Meu peito em caixa vazia
Tornou ao correr de um segundo,
Estrondo de ventania.

Fez e desfez de mim: lama,
Pó e cinza, sem dó nem pena –
Que dor imensa!
....................E só em cena
Quedei, só com o peito em chama:

Queimou em gritos sem fim
No cerne desse amor torto...
E dessa brasa carmim
Restou este carvão morto.

— um pequeno carvão morto...


Manuel Bandeira (trad. Paulo Ferraz, 4/10/99)

Agora, o original:


Sou bem-nascido. Menino,
Fui, como os demais, feliz.
Depois, veio o mau destino
E fez de mim o que quis.

Veio o mau gênio da vida,
Rompeu em meu coração,
Levou tudo de vencida,
Rugia e como um furacão,

Turbou, partiu, abateu,
Queimou sem razão nem dó —
Ah, que dor!
.................Magoado e só,
— Só! — meu coração ardeu:

Ardeu em gritos dementes
Na sua paixão sombria...
E dessas horas ardentes
Ficou esta cinza fria.

— Esta pouca cinza fria.


Escrito por Paulo Ferraz às 01:18:37
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Estive pensando outro dia quando começou a minha inquietação que quase nada de novo há para ser feito em poesia, se é que algum dia teve, que na verdade glosamos os mesmos temas ao longo da história, variando a forma, o foco, o corte, olhando ora de telecópio ora de microscópio, dissecando ou implantando. Cheguei a uma espécie de resposta. Em algum momento de 1999 eu lia uma tradução do John Donne feita pelo Augusto de Campos e outra feita (creio) pelo Paulo Vizioli. Pensava comigo: é o mesmo poema, ambos estão trabalhando com a mesma língua, mas chegam a resultados distintos. Pensei, se é possível de uma língua para outra, seria então possível uma "tradução" do português para o português? qual o limite? até onde um poema permite permutas sem perder o que lhe faz realmente ser poesia (ora, quem faz poesia sabe muito bem que há uma hora que devemos dizer chega, pois se não sempre iremos modificá-lo)? Fiz dois exercício, mais um que ficou pela metade e algumas tentativas descatadas já de início. Deixo o primeiro deles, uma "tradução" que fiz do Nelson Ascher, e como toda tradução respeita alguns elementos poéticos, mas "fere" outros. Seguem:


MAIS UMA ABORDAGEM CRÍTICA

É público e notório
que a mosca não se presta a
nenhum papel - a priori o

símbolo exato do asco,
com mérito e louvor,
cabe a barata; fiasco

semântico, não evoca
funções precisas como o
fazem a aranha, a broca;

fruto inútil dos sete
dias do labor de deus -
pois lixo de toalete

com dotes de ave - até (vê-
se que ao acaso) que existe,
se bem que a um prazo breve;

no ar sua rota é um sofisma
vazio que nada inspira
com o qual insiste e cisma - a

seu estilo perfunctório -
castrando a lira, já que
repete o repertório.



UMA ABORDAGEM CRÍTICA


Como se sabe, a mosca
não se presta a nenhuma
figura, mesmo tosca,

nem secreta do bojo,
como barata, a estrita
metáfora do nojo,

também não mostra manhas
de texto num exemplo
preciso: traça, aranha;

fragmento de delito
divino (inócuo, pois
minúsculo), detrito

com asas por acaso,
quase inexiste e, ao que
parece, a curto prazo;

mesmo seu vôo, por muito
retórico, tampouco
serve a qualquer intuito

lirista e, se se enrosca
na lira, ainda assim
persiste em ser de mosca.


Escrito por Paulo Ferraz às 09:09:49
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


JEUNE FILLE

Se vocês pensam que fui embora, eu enganei vocês, fingi que fui e voltei, oi, eu aqui outra vez... bom, pra quebrar o gelo com um musiquinha de carnaval adaptada, afinal, por aqui só há mesmo é cópia, versões e afins, nada de novo. Mas a despeito disso vou hoje postar um poema meu, é recente, já posso considerá-lo pós-denovonada, sério, não tô afim de criar limo muito menos virar diluidor de mim mesmo. Por isso, o poema que segue difere bastante do que costumo fazer, não vou explicar muito, é visível, isso mesmo: visível. Abraços



JEUNE FILLE AVEC DES CERISES AUX MAINS



SILÊNCIO

...........À mesa
...........do Café
...........Hemingway&Picasso ...................................[o mundo,
...........tamborilava........................................um pouco além]
...........a capa de
...........seu diário:

...........piano pianissimo..............................................[a caneta
......................................ESMALTADO.......................jazia
........................................................................ adjacente]
...........A melodia
...........via-se(ou-)
...........nas unhas ...................................................[platéia
...........arranhando..................................................de boca
...........o ar............................................................e olhos]

...........o mistério é saber quais palavras escreviam a cada nota DE CEREJAS


Escrito por Paulo Ferraz às 11:24:33
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Nunca escrevi diários, mas é como se os escrevesse



Nunca soube ao certo qual porção de individualidade deve o poeta pôr de si naquilo que escreve, quando o poema vira um diário ou quando o diário vira poesia? É certo que há depoimentos, cartas, conversas que são tão profundas, tão verdadeiras que nos arrebata, mas possivelmente nos arrebata porque é real, e há momentos em que o real, cru, sem mediações, nos leva prum poço escuro, nos arrasta por umas zonas abissais de nós mesmos que sempre evitamos. Nunca escrevi diários, mas é como se os escrevesse. No início, era mais claro que meus textos eram resultado de algumas angústias emocionais, coisa de quem começa a escapar da placenta da infância, pouco a pouco as angústias foram aumentando, em vez de diminuirem, deixaram de ser meramente emocionais e ganharam outros espaços da mente, estéticas, sociais, históricas e aí a minha poesia foi paulatinamente ganhando o lado de fora, mas um lado de fora que é sempre observado, filtrado, pensado pelo lado de dentro, a ponto de um e outro entrarem num mutualismo, criarem uma interdependência.

Nesse registro do "diário", gostaria de expor um poema que jamais foi visto por ninguém, permaneceu arquivado em meu computador por longos quatro anos e meio. Trata-se de um poema dedicado a minha avô, Dona Geny, que falecera naquele dia. Sensação estranha, pena que não me lembre dos meus sonhos, pois quando meu pai me ligou numa manhã de sábado ou domingo (escrevendo isso, me lembro de meu pai me acordar no dia do meu aniversário de sete anos dizendo: acorda, pois você verá seu avô hoje pela última vez), quando eu já estava acordado, quando por algum motivo eu já sabia da notícia, como se ela antes já houvesse me avisado. Enfim, qual o limite? até quando devemos nos amarrar nos mastros? ouvir as sereias assim é uma forma de manter-se firme, mas a verdadeira experiência não é nadar atrás delas?


VELA
"and therefore I forbid my tears" (Hamlet, Shakespeare)
para Genny Prado Ferraz (1918-2002)


Olhe-a:
está em chamas

você a vê se desmanchar?
sim, mas é a via do calor


(calor = vida)


Olhe-a:
consumiu-se

nem parafina, nem cinza, nem chama
ela se foi


Para isso queimou (viveu)?
não, para a luz

— se não a vemos mais —

que continua
viva




PS: acabei de encontrar um e-mail escrito à época do falecimento, está na mesma linha deste texto, enfim, como estamos falando de diários, vou deixá-lo público:

"minha vó morreu nessa madrugada, hoje sei lá porque acordei às seis da manhã e assim que levantei meu pai me ligou dando a péssima notíca. Estou muito triste, muito pela morte, e muito por não poder ir ao funeral, pois não tenho dinheiro para isso. Desculpe-me o tom.
Abraços desse teu amigo que te quer bem,

paulo
(esse é um dos preços da distância, viver como um exilado em sua própria terra, agora, 14:50, minha vó deve estar sendo enterrada e não posso estar com meu pai, talvez por isso eu tenha sonhado com ela nessa noite, não me lembro como ou o quê, apenas sei que nessa madrugada acordei com ela na cabeça. Mais uma vez meu pai me impressionou, a primeira vez foi na morte de meu avô, no meu aniversário de 7 anos, ele não derramou uma lágrima, e agora ele me liga, com uma segurança que eu seria incapaz de ter, não sei como ele pode, como ser tão forte? eu ñ posso, eu não sou forte, tanto que agora estou péssimo, e hoje de manhã eu lia o Hamlet, e quando Laertes sabe da morte de Ofélia e diz "Too much of water hast thou, poour Ophelia, and therefore I forbid my tears. But yet it is our trick; nature her custom holds, let shame say what it will", chorei, por Ophelia, por Laertes, por minha avó, por meu pai, por mim.)





Escrito por Paulo Ferraz às 01:22:43
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Sobre esse quiprocó entre mim e mim mesmo na noite passada, houve um detalhe que omiti: como não costumo ser insone, em certo momento comecei a refeltir sobre a situação de querer dormir e não conseguir, pois é, esta parece ser uma característica minha, eu raramente desligo a chavinha da razão, então logo eu estava analisando a mim mesmo e a falta de sono, aquilo foi ficando estranho, pois de algum modo eu queria me desdobrar, queria naturalmente me envolver com a procura pelo sono, mas um "outro" eu ficava me analisando, isso, era como se aquela pessoa que fica atrás de nós no divã estivesse no meu quarto, mas os dois eram eu. Ah, « je est un autre », como dizia o Rimbaud, deve ser, deve ser, talvez seja essa razão de haver poetas! (um dia eu conto, quando com uns oito anos, na zona rural de Mato Grosso olhei ao redor de mim, vi o campo, fiquei sentindo o vento, ao lado de um grupo de moradores da região que não davam a mínima para o que viam, e então por um instante eu me vi separado deles... olha, já contei!). Enfim, saí da cama, e uma das razões foi que eu precisava pôr no papel algumas das minhas "interpretações" daquela situação. Isso virou um poema, acho que é o primeiro poema meu que posto aqui direto, sem mediação, mas como está no contexto, acho que vem bem a calhar. Só estou na dúvida quanto ao título, usei ALBA, como disse no post anterior, mas na verdade acho que deveria se chamar "in albis", ok, ok, esse latim jurídico é uma porcaria, mas ainda assim, acho que tem a ver. Digam:


Alba


Não a resistência
do vento, mas sim a
densidade da água
que envolve, que agarra o
corpo, inoculando o
veneno da espera a-

té transformar pele em
pensamento, menos,
em vozes ouvidas,
outras jamais ditas;
o que se vê tem do
sonho quase nada, a-

penas o desejo
de tê-la outra vez à
distância dos dedos,
ela estaria próxi-
ma, não fosse a grita
do mundo e do corpo,

não fosse esse oriente,
não fosse essa músi-
ca que vem das árvo-
res, não fosse ouvir do
colchão, do lençol e do
travesseiro: volta ao

real, ao invés do leito
te reclama a lida.




Escrito por Paulo Ferraz às 22:59:28
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
Meu perfil


BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, PERDIZES, Homem, de 26 a 35 anos, Portuguese



Histórico


Votação
Dê uma nota para
meu blog



Outros sites
 Paulo Ferraz
 Ana Rüsche
 Weblivros
 Virna Teixeira
 Emilianas
 Fábio Aristimunho
 Ana Rüsche - Peixe de Aquário
 Elisa Buzzo
 Daniela Ramos
 Victor Del Franco
 Geraldo Vidigal
 Carol Marossi